2ª Trilha Pé-de-Chinelo SQN (Nova Soure) - Balneários e Coices

"Neste agreste Sertão da Bahia.
É Jardim de Bondade e afeição “ 
(Da letra do Hino de Nova Soure)
Fui escolhido pelo anfitrião para fazer a resenha que agora começo a tecer. Não poderia deixar de registrar que recebo a missão com dupla satisfação a primeira de tirar do amigo a tarefa fazê-la e a segunda, a de descrever como foi a nossa jornada nessa reedição da Trilha Pé-de-chinelo que coincide com a inauguração do bar e restaurante Rancho Casa da Mãe Joana, local alternativo com apresentação de música e ótimo para recreação. 
Com previsão de saída para as 20 horas, pontualmente, Júlio Cesar (Caimbrinha) chega e imediatamente partimos para nosso destino. Ao chegarmos no Rei da Pamonha, já sob forte chuvas, o que nos remetia a uma questão, como estará em Nova Soure? Todos os participantes saíram com bastante antecedência e nos chegamos por volta da 23 horas, encontramos toda equipe já instalada no barzinho da praça, a comemorar o meu aniversário. Com alegria de estarmos a poucas horas de mais essa aventura, seguimos para a casa da Mãe Joana para o descanso do dia e repor as forças. Ao chegarmos, logo após a ocupação de nosso local de descanso, de repente fomos convidados pelo anfitrião a fazer um tour pelas novas instalações que transformaram a casa da Mãe Joana em excelente local de entretenimento, com boa comida e excelente atendimento. Vale a pena conferir! Não percam a próxima edição. Seguindo nosso anfitrião chegamos rapidamente ao ponto onde é servido o nosso banquete antes do pedal, local de paisagismo de dar inveja a Burle Max e ao nosso Kadjon... Surpresa!!! Bolo de aniversário com cobertura e velinha acesa! Começa os parabéns e ajeita daqui, tira o boné e óculos ali e toma-lhe a torta na cara! Uma delícia!! O bolo. Até parte que caiu na grama foi consumida. Senti gostinho perfumado e a crocânçia de um cascudo (besouro). Ora de lavar a cara, dormir e acordar cedo. 
Acordamos e já se podia ver Nino já a postos, preparando o nosso banquete que seria o reforço necessário para o enfrentamento da missão que nos era dada 70 Km de trilha de paisagens belas e diversos tipos de terrenos que ofereciam os desafios que todo mountain biker adora, e se tratando de Mural de Aventuras, uma boa travessia de rio, neste caso a do rio Itapicuru. 
Saindo do agora Rancho da Casa da Mãe Joana, paramos bem à frente da entrada para o registro e as orientações e agradecimentos. Partimos em direção a Nova Soure e seguimos para o Morro do Cristo, para reflexão e apelo por proteção, que precisamos sempre. Morro do Cristo abraça o Mural de Aventuras e proteja os Muralistas!
Seguimos pelo asfalto e logo o deixamos para relembrar como foi na primeira vez pedal da caatinga. Pulamos a cerca e começou uma brincadeira para subir o morrinho e em seguida entrar no single track da jurema – unha-de-gato – mandacaru – xique-xique e tudo que possa agarrar em você e fazer transpirar sangue. Quando ouço grito quase em desespero... Onde é o caminho!!! A menos de 10m só se via o capacete mais não se encontrava o caminho tamanho era o embaraço na caatinga. Ufa! Finalmente chegamos e seguimos uma subidinha que dá ao coração aquela sensação que o tanto faz bem, senti-lo batendo embaixo do queixo. Após percorrer pouco mais de 20Km chegamos no povoado de Paiaiá, para visita àquela que detém o rank da maior biblioteca rural do mundo. Depois de reabastecidos de agua (Bar do Luís) e feito o reparo do pneu da bicicleta de Nino seguimos para uma jornada de trilhas com trechos técnicos-travessias de rio e banhos de bica. Antes de chegarmos à primeira travessia do rio Itapicuru passamos por mais single track, onde os desafios eram constantes: degraus de pedras, valetas subindo e descendo. Paramos diversas vezes para ver superar os desafios: Nino e Cerqueira, Fabiana e JoãoRider, Odi, Caimbrinha, Ito. Elson tratando de registrar para tornar essa resenha um pouco mais agradável. Paramos no primeiro balneário (povoado de Cauê). Seguimos após banho e cervejas e para então chegarmos na primeira travessia do Itapicuru agora contra a margem esquerda seguimos por estrada de paisagem exuberante e já demonstrando cansaço nosso anfitrião se envolve no lance que não fosse o abraço do Cristo... Um burro apareceu correndo a uma pequena distancia entre Elson e Nino e desferiu diversos coices que quase acertava em cheio, o segundo. E assim seguimos correndo atrás do animal, até encontrar vereda por onde este seguiu nos deixando aliviados.
Seguimos para a 2ª travessia do Itapicuru. Travessia de aguas cristalinas, logo na outra margem passamos por um pé de anis, e resolvi experimentar depois de certificar-me se era comestível. A frutinha tem sabor agradável e tem a textura do juá. É doce, porem deixa um leve amargo e uma salivação que deixa conforto de não ficar com a boca seca. Após pouco mais de 5Km estávamos chegando ao segundo balneário para agora nos alimentarmos com carne de sertão frita, salada, farinha seca e mais uma porção de tripa de porco com cervejas, muitas cervejas, resenha e banho quentinho das aguas termais. E ali ficamos sem mais querer saber das horas... Mas nosso anfitrião estava com compromisso e sem ele a Casa não vira o esperado Rancho Casa da Mãe Joana. Contas pagas é hora de dizer até a próxima! Seguimos para o nosso destino final por 4km já percorridos quando nos deparamos com um retão que parecia não ter fim, chegamos na Br 110 note  e NOVA Soure estava logo ali. Agora era só tirar as fotos na Igreja e passar na Farmácia para nosso ultimo registros. Mas nosso anfitrião, como já vinha demonstrando cansaço deste o galope da mula... Chegou só o corpo, pois a alma ficou pra trás e sequer pudemos passar na Igreja ou na Farmácia... Sequer dizer olá meus queridos cidadãos, e proferir, Bora Mural!.  
Não pense que acaba aqui! Ainda nem almoçamos! Todos tomaram banho e eu não queria que tivesse acabado, aproveitei para secar a roupa no corpo. De posse do cardápio, foi consenso GALINHA CAIPIRA + PIRÃO + FEIJOADA para todos! Ah... Quer saber se estava gostoso? Só indo lá na próxima Trilha Pé-de-Chinelo! E assim seguimos comendo e bebendo e depois iniciamos o jogo 0 a 100 só para maiores. Tomei 5 doses!   (Zé Bezerra.)
CLIQUE NAS IMAGENS PARA AMPLIAR





































































































































































































































3 comentários:

Odi disse...

Parabéns pela resenha Bezerra! Digna do anfitrião e do pedal. Nova Soure está no coração do Mural.

João Ramos disse...

Resenha massa, meio contida, mas muito legal...rsrs, trilha show estaremos aí na próxima com certeza!

Janilton Almeida disse...

Bezerra, que resenha perfeita... me fez relembrar de cada detalhe da trilha, Ninoo obrigado por tudo!