7º Dia - Expedição Chapada das Mesas: Balneário Recanto das Famílias / Morro do Chapéu / Carolina (Texto: Gustavo Freitas)

Chegamos então ao último dia da expedição. Como vocês já acompanharam, a maioria dos autores das resenhas foi decidido no “palitinho”. Como eu queria escrever um dia e não tinha perdido ainda no “palitinho”, pedi para escrever o último dia da expedição. 
Esse dia demorou para amanhecer... a sexta noite de aventura tinha sido bem longa. Queríamos curtir os últimos momentos da nossa expedição, que por sinal teve um ar muito especial com os acampamentos. Comemos o que sobrou do nosso alimento de contingência (miojo... paçoca de carne seca... cebolas...). Alguns Muralistas estavam tão felizes com a expedição que promoveram cerveja. Então a noite foi longa, inclusive com alguns desafios... rsrsrs, mas é melhor que algumas coisas fiquem em nossas memórias apenas.
Amanheceu o dia 7:  Desarmamos as barracas pela última vez nessa expedição, Serjão amanheceu com o pneu da bike totalmente vazio. Ele corrigiu o pneu, tomamos café da manhã e saímos aprox.. 9:10 em direção ao nosso desafio do dia que era subir o Morro do Chapéu e pedalar lá em cima.    Havíamos acampado no “Balneário Recanto das Famílias”, na saída de lá, alguns Muralistas conversavam com a família falando do nosso objetivo daquele dia. A filha, Maria Eduarda, disse que seria impossível subir com as bikes, pois era uma subida muito difícil até para ser feita sem nada, ainda mais carregando uma Bike. Disse ainda que, se alguém conseguisse levar a bike até o topo, lá em cima daria para pedalar, mas ela tinha certeza que não conseguiríamos.  Quando ouvi isso, olhei para Elsão e sem falar nada sabia que, mais do que nunca, o desafio era pedalar no cume do Morro do Chapel. A partir dali, só o cume interessa!
Aquilo ficou martelando nas nossas cabeças e partimos em direção ao Morro. 
Morro do Chapéu, montanha de cume plano com 378 metros de altura é o maior símbolo da Chapada das Mesas, uma região de incontáveis belezas naturais localizada no sul do Maranhão, já na divisa com o estado de Tocantins.
Para chegar são 12km de Carolina pela BR-230, a famosa Transamazônica, e mais 12 quilômetros em estrada de chão com solo muito arenoso. Como dormimos num Balneário próximo da entrada, rodamos aproximadamente 18km até o início da subida. 
Para variar um pouco, logo na saída, assim que pegamos o cruzamento com a Transamazônica, com menos de 2kms, paramos para esperar um integrante do grupo que voltou para o Balneário sem avisar a ninguém, para pegar um lencinho que havia esquecido. Com mais alguns quilômetros (10km do odômetro daquele dia) paramos para Marão colocar mais uma câmara. Nesse trajeto até o Morro, percorremos alguns trechos onde foi possível curtir trilhas com pouca areia, cascalho e terra batida, mas durou pouco e logo a areia apareceu de novo. Esperamos Jean pela primeira vez em toda expedição, o bichinho chega voltou mais magro de dentro do mato. Rs . Seguimos mais alguns quilômetros e chegamos em um ponto que decidimos esconder nossos pertences (alforjes, barracas e todo peso extra das Bikes). Nesse momento Kadjon me mostrou os calos nos pés. Ele lavou a sapatilha e esqueceu de recolocar as palmilhas, imaginem as bolhas que fez nos pés. Pedalamos mais um pouco e chegamos num ponto que dava para ver todo o Morro do Chapéu e sua imponência. Tiramos algumas fotos, alguns esconderam as bikes e mais alguns pertences e nos preparamos para a parte mais difícil do dia: a subida ao Morro do Chapéu.
O desafio estava lançado. Todos resolveram subir. Alguns com as bikes. O Grupo Mural de Aventuras queria ser o primeiro Grupo de MTB a pedalar em cima do Morro. Esse era o objetivo do grupo e tornou-se o objetivo individual de alguns. Iniciamos a “escalada”... a voz de Maria Eduarda não saia da cabeça “-é impossível subir carregando a bicicleta”. Ela ainda não conhecia o Mural. Realmente foi um grau de dificuldade extremo. Já fizemos algo parecido subindo para o Mirante do Vale do Capão pelo ALEXOS (Chapada Diamantina-BA), mas essa subida é muito mais difícil e desafiadora, fazendo a subida do Alexos parecer fácil. Subida extremamente íngreme com pedras soltas e caindo a todo momento. A subida é por degraus imensos formados pela erosão da chuva. Em vários momentos esses degraus eram maior que uma pessoa de pé. Num determinado momento em que a via se divide, eu, Elson e Alexandre seguíamos pela esquerda, enquanto Plech e Serjão foram pela direita. Percebi que a direita estava melhor e tentei fazer a transição. Essa transição é com pedras muito soltas e o terreno sem nenhuma aderência, por isso escorreguei e encostei a bike no chão, que deslizou, fazendo eu perder alguns metros de subida e sentir um frio na espinha de medo. Ufa... passando o susto, consegui trocar para a via da direita. 
Nesse momento paramos um pouco e conversamos. Estava muito perigoso a subida. Uma opção mais cautelosa era deixar as bikes naquele ponto e seguir sem elas. Alguns fizeram essa escolha, inclusive pensando em como seria a descida. Jean já tinha subido na frente, Alexandre e Plesh estavam com cara que queriam continuar, então eu pensei: “já subimos 2/3, a descida vai ser difícil de qualquer forma e eu quero muito concluir essa subida, tenho um defeito, eu não gosto de desistir”,   além disso Maria Eduarda não saia da minha cabeça... “vocês não vão consegui...” rs.   Me adaptei a uma forma de carregar a bike que me deixou um pouco mais confortável, e sem discutir muito, porém respeitando a decisão individual de cada um, pedi licença e continuei minha subida no meu ritmo. 
Em mais alguns minutos estava transbordado de um sentimento indescritível... havíamos conseguido superar o desafio e feito jus ao slogan que carregamos no peito “ A Emoção dos Desafios”. Jean, eu, Plesh e Alexandre honramos o Grupo todo. Levamos o Grupo: Mural de Aventuras ao pedal no topo do Morro de Chapéu, na Chapada das Mesas -MA. Esse feito só foi possível pela união do grupo e foi uma emoção coletiva. Todos completaram o desafio de subir o Morro e de ser o primeiro grupo de MTB a pedalar no topo da Chapada das Mesas com 04 Bikes lá em cima. “Obrigado Deus!” Agradeci várias vezes lá em cima, e foi um momento de reflexão extremo.  Fotos e contemplação, mas ainda não acabou... tínhamos que descer tudo de novo.

Novo Muralista: Rafael da Mata Neri

Bem-vindo ao novo Muralista:  Rafael da Mata Neri.
Em breve atualizaremos a página "Muralistas" com a foto do mesmo de uniforme padrão!

Participe do nosso *Clube de Ciclismo e Aventuras*. Acesse: http://muraldeaventuras.blogspot.com.br/p/club.html

Novo Muralista: Wolf Girsas

Bem-vindo ao novo Muralista:  Wolf Girsas.
Em breve atualizaremos a página "Muralistas" com a foto do mesmo de uniforme padrão!

Participe do nosso *Clube de Ciclismo e Aventuras*. Acesse: http://muraldeaventuras.blogspot.com.br/p/club.html

Curso de Primeiros Socorros, Aventuras com Mais Segurança

O Mural de Aventuras realizou na Base 911 de Bombeiros Civis (http://911bombeiros.com.br/) o Curso de Primeiros Socorros. É de grande importância esse treinamento para enfrentarmos com maior segurança as possíveis situações adversas que vivenciamos em nossas aventuras.

Dentre os conteúdos, tivemos a capacitação em princípios básicos de aplicação de técnicas de imobilização, reconhecimento dos sinais vitais, contenção de hemorragias, como tratar de fraturas e queimaduras, transporte de vítimas, parada respiratória e parada cardíaca, animais peçonhentos, bem como estabelecer um padrão de comportamento em acidentes. Além disso, como reconhecer uma situação de emergência, sua gravidade e a prestar os cuidados imediatos necessários ao atendimento correto dos diversos agravos à saúde, desde acionar o sistema de emergência até o transporte da vítima para uma unidade hospitalar.

O Mural de Aventuras busca aumentar ainda mais a segurança de nossas aventuras com a adoção de procedimentos que visão minimizar os impactos em caso de acidentes. Recomentamos a todos a realização desse curso, principalmente aos aventureiros que estão sempre sujeitos a um risco maior de acidente. Bora Mural!

Contato do 911 Bombeiros:
(71) 3379-5236 / 3374-4239
Alameda Praia do Flamengo, nº 14 B
Stella Maris - Salvador/BA - CEP 41.600-080
grupo911@grupo911.com.br
VEJA O VÍDEO ABAIXO
CLIQUE NAS IMAGENS PARA AMPLIAR




CTM´s DOS FARÓIS - Reconhecimento do Percurso e Aquecimento

*CTM´s DOS FARÓIS*
Venham participar dos CTM´s ESPECIAIS de reconhecimento do percurso e aquecimento para 7ª Volta dos Três Faróis (http://muraldeaventuras.blogspot.com.br/2017/10/7-volta-dos-tres-farois-0312-salvador.html)
Serão dois CTM´s (09 e 16/11) com saída (20h) e retorno sempre do Alphaville da Paralela. As distancias serão entre 50 a 60km com nível de dificuldade 3 - Médio (Ritmo Moderado).
  • Dia 09/11: Farol de Itapoã & Farol da Barra.
  • Dia 16/11: Farol da Barra & Farol de Humaitá.
Ponto de encontro e horário: Alphaville Paralela (pegar 1ª entrada) na rua Pituba em frente ao Alpha Club. Início do pedal às 20h (chegar 15min antes).

Informações sobre o CTM Alphaville acesse: http://muraldeaventuras.blogspot.com.br/p/ctm-paralela.html.

Participação: Aberta.

Mais informaçõeshttp://muraldeaventuras.blogspot.com.br/p/ctm-paralela.html



Novo Muralista: Fábio Magalhães da Silva

Bem-vindo ao novo Muralista:  Fábio Magalhães da Silva (Fábio Zoi).
Em breve atualizaremos a página "Muralistas" com a foto do mesmo de uniforme padrão!

Participe do nosso *Clube de Ciclismo e Aventuras*. Acesse: http://muraldeaventuras.blogspot.com.br/p/club.html

Trilha Abranpower (Texto: Rogério Fernandes)

Trilha Abranpower, mais uma edição desta trilha INESQUECÍVEL (será?) rsrsrsrsrs – vocês vão entender o motivo do riso daqui a pouco.
Uma trilha numa região que conheço muito bem por ser “o quintal lá de casa”, em Abrantes/Camaçari. Confesso que gostei muito de ver o Mural redescobrindo essa trilha no ano passado, não só pela proximidade de casa, mas por considerar uma das melhores regiões próximas a Salvador para a prática do ciclismo, com muitas ladeiras e diversos tipos de terreno e vários desafios e que tem sido recentemente palco de algumas competições de Mountain-Bike e Motocross.
Uma coisa é certa por aqui: existe uma infinidade de caminhos que parece sempre conduzir para o famoso Jorrinho, outrora um ponto de descanso e confraternização onde diversos grupos de ciclistas se encontravam nos sábados pela manhã e era aquela resenha. Ali haviam duas bicas que jorravam água vinda diretamente do subsolo, uma de água fria e outra de água quente. Infelizmente a fonte secou e hoje o local se resume apenas a ruínas. Mas as estradas de terra e os maravilhosos single tracks ainda permanecem lá, para a nossa alegria.
Mais uma vez o chefe Elson me deu a honra de ser o guia do grupo, e como a trilha estava ocorrendo um dia após eu completar 44 anos, todos concordaram que o percurso deveria ser de 44 km. Mas o que ninguém sequer imaginava era que atingiríamos quase 1000 metros de subida nestes 44 km, hehehehe.
O aquecimento foi rápido e logo encaramos a primeira ladeira, subindo logo após o Alphaville III e depois fazendo uma descida de tirar o fôlego pela “ladeira dos cachorros”. Alguns single-tracks fantásticos que lembram a Sapiranga e chegamos à famosa pinguela sobre um braço do Joanes, já perto da Barragem, que exigiu muita concentração e coragem de todos os aventureiros durante a travessia. Dali decidimos seguir pelo single do “canta-galo”, uma trilha por dentro da mata às margens do Rio Joanes que leva até à Pedreira, na Via Parafuso. Essa trilha proporciona inicialmente um trecho bem técnico e acidentado e na segunda metade um trecho plano e rápido, que incita à velocidade. Foi aí que Will se empolgou e comprou um terreno e, segundo dizem...eu também! O que aconteceu foi que passamos por uma pequena rampa e Elsão queria tirar umas fotos com a galera dando um salto. Eu retornei para pegar velocidade e dar o salto para sair bem na foto, e segundo relatos eu perdi a frente da bike na hora do salto e caí batendo a cabeça, fiquei meio tonto, mas me levantei, sacodi a poeira e saí pedalando. Mas o fato é que não me lembro de nada, nem do salto, nem da queda. Somente uns 15 minutos depois, quando já estava perto do Pedágio da Parafuso, senti como se estivesse acordando de um sono e fiz a fatídica pergunta: “Eu caí foi?”. Daí foi só resenha, eu querendo saber o que aconteceu, a galera sem acreditar que eu não me lembrava de nada. Para minha sorte tive apenas um lapso de memória e à tarde fiz alguns exames que constataram que estava tudo bem, saí sem nenhum arranhão desta brincadeira.

6º Dia - Expedição Chapada das Mesas: Balneário do Dodô / Complexo Turístico de Pedra Caída (Texto: Sérgio Luz)

Hoje 6º dia da Expedição, dia 06/07/2017, saímos do Balneário do Dodô cedo da manhã em direção ao Santuário Turístico da Pedra Caída.
A distancia percorrida neste primeiro momento foi de aproximadamente 6 km, bem confortável no asfalto comparado aos dias anteriores que os estradões com muita areia eram os nossos pisos de intensas pedaladas.
Pela primeira vez em uma Expedição, o autor da resenha foi contemplado com o jogo  do “PALITINHO” na noite anterior, quem ficasse por ultimo, perdendo, escreveria os fatos acontecidos no dia posterior. No entanto, este dia eu escolhi para escrever (não perdi nenhuma)!
Em um momento da nossa viagem, que fomos de carro, EU, MAURÃO, ODILARDO E PLECH, cerca de 3.200 km entre ida e volta, ao passarmos pela cidade de São João dos Patos, já no Maranhão, na estrada, de repente acima de uma serra, estava uma enorme estatua do Santo São Francisco, que por mera coincidência nesse momento começou a tocar no som do veículo, a ORAÇAO DE SÃO FRANCISCO! Voltarei a mencionar sobre esse fato a frente do texto.
Chegando ao Complexo da Pedra Caída, depois das negociações de acesso, adentramos a um verdadeiro OASIS!!! Espetacular... Fantástico... Inexplicável!!!
No Complexo de Pedra Caída, primeiramente fomos ao Santuário, que é uma atração impar, nesta cachoeira a água despenca de uma altura de 46 metros dentro de grande CANNION. Para chegarmos ao local da exuberante cachoeira, andamos cerca de 500 metros, por uma trilha ecológica, que tem a formação de enormes paredões com uma altura superior a 40 metros. As formações rochosas eram tipo ARENNITO, que devido ao tempo formou-se um processo de erosão sobre essas rochas que pelo conhecimento científico a mais de 40 milhões de ANOSS!!! Simplesmente Fantástico!
Ao sairmos do Santuário, fomos fazer um passeio na travessia da PONTE PENSIL sobre o CANNION. Ponte denominada “PONTE DO PEDRO” - balança mas não cai  - uma outra atração no Complexo da Pedra Caída, onde avistamos as belezas abaixo das falha geológicas naturais.
Bom, prosseguindo o nosso dia, fomos todos de teleférico, sendo que JEAN (TACALIPAU) teve a disposição de subir a pé até o mirante da PIRAMIDE pelas sinuosas e longas escadarias construídas nas rochas para o acesso A PIRAMIDE E PARA A TIROLESA!
Foram 20 minutos de contemplação no teleférico até a parte superior, com um cenário do Sul do Maranhão, um espetáculo de visual!
Impressionante a majestosa PIRAMIDE no alto desta serra, magnífica – construída pelo Sr. Pedro Pereira Espírito Santo, foram cinco anos para a construção e entre erros e acertos foi finalizada a um ano e meio. A jardinagem está sendo finalizada. Sobre as energias... isso é bem interessante, uma energia FÊNIX com a característica do serrado ser incendiado uma vez por ano pra depois renascer das cinzas!
Nesta PIRAMIDE, encontramos uma pequena e uma profunda meditação na espiral na qual se trabalha os dois PÓLOS com harmonia. A casa da serra está sendo preparada para poder acolher grupos e fazer o acompanhamento do POR e o AMANHECER DO SOL,  neste espetacular aconchego.
Fomos orientados pela belíssima mulher MATHIE, responsável pelo local e nos proporcionou a fazermos as orações devidas, muito espiritual!
Ao saímos do espaço exótico e contemplativo, vejo a imagem com a oração de São Francisco, foi ai que Maurão colocou pra mim – Serjão essa resenha é sua broder, muita coincidência tudo isso!!! Momentos antes eu tinha comentado com ele que a oração de São Francisco eu mandei colocar no santinho de lembrança da minha mãe que falecera em janeiro último!

Já mais acostumado ao TEMPLO, retornei ao centro em passos curtos, meditando, agradecendo a DEUS nossa saúde... a todos, e familiares e sobretudo o nosso grupo Mural de Aventuras por nos proporcionar momentos como aqueles vivido exatamente naquela momento!
Em conversa com MATHIE, ela me deu um papel, o qual relatava:
                                 Ó AMIGO!
                             No jardim de teu
                        coração, nada plantes
                              salvo a rosa do
                                   amor                                                                               Bahá´u´lláh

Agora chegou a vez da TIROLESA, não desci!!! E não desço!!! E pronto!!!
Voltei de teleférico enquanto os loucos desciam a TIROLESA espetacular, alguns com manobras acrobáticas, outros não mexiam nem os olhos, outros se acabando de medo!! Rrssss
No turno da tarde, mais atividades...Cachoeira da Caverna e Cachoeira do Capelão.
Foram passeios ótimos, porém depois da magnitude da Cachoeira do Santuário, as outras não tinham o mesmo encanto!
A Cachoeira da Caverna, foi descoberta por um aventureiro da região, possui um aspecto peculiar caracterizado por um enorme bloco de arenito (predominante) esculpido pela ação do tempo que contudo isso, formou um abrigo para centenas de morcegos frutíferos. Já a Cachoeira do Capelão, uma excentricidade incomum, maravilhosa, onde tomamos um belo banho com profundidades totalmente acessíveis.
Chegando o horário da partida, ainda deu tempo de um belo banho na piscina com direito a algumas Heinekens!!!
Vamos....pneus baixos....EU, Odilardo e Maurão ( os que viajamos de carro )!!! Partiu...
O percurso a ser vencido seria para o MORRO DO CHAPEU, já saímos pernoitando, em alta na TRANSAMAZONICA, quando ouvimos, PAARROUUUUU!!! Maurão comprou um loteamento na TRANSAMAZONICA!!! Causa – um pedaço de madeira em pleno acostamento.... perigo total – ainda bem que não houve problemas maiores.

Novo Muralista: Rubenicio Souza Nascimento (Rubem)

Bem-vindo ao novo Muralista:  Rubenicio Souza Nascimento (Rubem).
Em breve atualizaremos a página "Muralistas" com a foto do mesmo de uniforme padrão!

Participe do nosso *Clube de Ciclismo e Aventuras*. Acesse: http://muraldeaventuras.blogspot.com.br/p/club.html

Ivonne Kraft e Naima Madlen no CTM Alphaville

No último CTM tivemos a honra da presença das grandes vice campeãs do Brasil Ride 2017, Ivonne Kraft e Naima Madlen. Dentre muitas outras conquistas, Kraft é a maior campeã do Brasil Ride com vários títulos nessa competição, enquanto, Madlen é uma jovem atleta que já começa a se destacar no cenário. Ambas muito simpáticas, responderam várias perguntas relacionadas ao esporte, pousaram para fotos e fizeram a questão de vestir a camisa do Mural de Aventuras.
Foi uma noite que ficou marcada na história do CTM e do Mural de Aventuras, só fez aumentar ainda mais a nossa paixão pelo Mountain Bike.
Agradecemos a Niner Brasil pela oportunidade de proporcionar esse emocionante encontro.
Bora Ivonne! Bora Naima! Bora Niner! Bora Mural!
CLIQUE NAS IMAGENS PARA AMPLIAR












7ª Volta dos Três Faróis - 03/12 - Salvador Bahia (Farol da Barra, Farol de Humaitá e Farol de Itapoã)

VEM AÍ O GRANDE ENCONTRO DE FINAL DE ANO!

No dia 03/12 (domingo) iremos fazer um evento que já se tornou tradição no final de cada ano. Falta pouco para a 7ª Volta dos Três Faróis! Um DESAFIO e grande encontro de bikers da capital e de cidades do interior, um pedal pelos pontos mais bonitos da cidade de Salvador!

Como das outras vezes, a saída será no Farol da Barra, depois iremos para a benção na Colina Sagrada (Igreja do Senhor do Bonfim), Farol de Humaitá, em seguida tomaremos rumo em direção ao Farol de Itapuã e retornaremos até o Farol da Barra.

Na chegada em cada farol faremos uma foto com todos participantes que concluírem o trajeto.

Vejam abaixo a imagem com o mapa do trajeto.

Participação: Aberta. Não há necessidade de inscrição.

Local de encontro: Farol da Barra às 6:00h, com saída sem espera às 6:30h.

Regulamento e Informações:
  • Em caso de quebra da bike ou qualquer outra ocorrência que impeça o participante de continuar, o grupo não será parado. Faz parte do desafio completar o percurso  sem quebra da bike e dentro do ritmo (velocidade) mínimo que será determinado pela organização;
  • O ritmo (velocidade) de deslocamento e paradas serão determinadas pelo guia do grupo.
  • Todos os participantes devem seguir as orientações dos guias, que não devem ser ultrapassados em nenhuma hipótese.
  • Todos participantes devem prover recursos como hidratação e alimentação para consumo durante o trajeto, isso faz parte do desafio.
  • Somente é considerado concluinte da Volta dos Três Faróis, quem fizer todo trajeto juntamente com o grupo e sair em todas as fotos em frente aos faróis. O trajeto inicia e termina no Farol da Barra.
  • Obrigatório uso de equipamentos de segurança (capacete e luva).
  • Segue as demais regras e normas de conduta do grupo. Veja Aqui.
Recomendações: Estar bem alimentado, levar bastante água, alimentos e materiais para pequenos reparos na bicicleta (câmera, bomba, ferramentas, chave de corrente, gancheira, etc).

Nível de dificuldade 3 - Médio (conheça os níveis), com aprox. 70 km. Lembramos que sem os equipamentos de segurança (capacete, tênis, luva...) não pedala no grupo.

Somente é considerado concluinte da Volta dos Três Faróis, quem fizer todo trajeto juntamente com o grupo e sair em todas as fotos gerais em frente aos faróis. O tempo limite de tolerância para o retorno no Farol da Barra após a chegara dos guias será de 15 minutos.
O Desafio está lançado!

VEJA OS ÚLTIMOS VÍDEOS ABAIXO


1ª Trilha Luar do Sertão em Sátiro Dias (Texto: Dario Quiroz)

A las 8:00 de la mañana el Mural Móvil pasó por casa, lo estábamos esperando afuera del garage, con todo el equipaje listo. Cargamos las bicis y nos dirigimos a la casa de Sergio, el copiloto, que, como buen conocedor del área, sugirió ir por Sao Marcos para llegar a la BR. Lo que pasó fue que había mucho tráfico y tuvimos que ir por la Vía Regional, retrasando la llegada en el “Rei da Pamonha”, donde nos esperaban Carla y Mara. Hicimos lo de siempre, ir al baño, comprar algo para comer y sacar la foto antes de partir para Sátiro Dias!
Me quede dormido casi todo el viaje, pero me contaron que paramos en una gasolinera para abastecer, que la ruta estaba llena de policías y radares, y me despertè a tiempo de ver el Mural Móvil casi llevar una multa por adelantarse indebidamente. Resulta que se formó un embotellamiento pequeño en la vía y el piloto no tuvo mejor idea que adelantarse com doble línea amarilla en la ruta. Menos mal que el copiloto estaba atento y gritó: policía!!, en ese instante el piloto bueno de reflejos, volvió al carril. El policía que estaba parado a 10 metros de nosotros vio todo, e cuando pasamos por él nos miró, levantando los brazos y gesticulando como reprochando el comportamiento del motorista. Tuvimos suerte.
Llegamos a Inhambupe contentos porque ya teníamos hambre. La sorpresa fue la ruta, llena de pozos, que nos retrasó el viaje. Pero en fin llegamos a la “galinha caipira de Cida”. En seguida llegaron los anfitriones Joao y Fabiana. Disfrutamos de una rica comida! El mejor puré del mundo, con carne de sol y pollo.
Apareció un grupo de gente que vio las bicicletas arriba de los coches y entró para conversar, pensando que íbamos a Conceição do Coité. Eran de Sátiro Dias y los invitamos a unirse, pero no quisieron ya que iban al encuentro del domingo. También nos invitaron a ir pero nosotros teníamos nuestro compromiso.
Terminamos el almuerzo y fuimos directo a la Estancia, desviando de los árboles para que no tocaran las bicicletas que estaban en el techo del coche. El paisaje con un pasto verde, con vacas pastando. Daba ganas de parar y ya salir con la bicicleta.
Al llegar Joao y Fabi nos mostraron la casa, que es hermosa, grande, muy ventilada, con una terraza que tenía una hamaca esperándome, y en la cual me dormi una linda siestita. Creo que casi todos se tiraron un rato a descansar. No estoy muy seguro, pues estaba “ocupado” ;-).
A las 15:30 empezamos a organizarnos para salir. Llenar el Camelback de agua, engrasar las cadenas, poner líquido en las cubiertas. Y casi a las 16:30 salimos a encarar de una la primera subida. Para quien estaba super tranquilo, descansado, la barranca nos hizo despertarnos y nos dio una idea de lo que se nos venía.

Retorno Muralista: Frederico Fonseca Lima

É com satisfação que informamos o retorno do muralista Frederico Fonseca LimaBem-vindo! Bora Mural!

Participe do nosso *Clube de Ciclismo e Aventuras*. Acesse: http://muraldeaventuras.blogspot.com.br/p/club.html

Mural Kids - A Magia do Encontro (01/10)

Sempre é uma grande alegria o Mural Kids, as crianças e adultos são envolvidos pela magia desse encontro. Lindo ver a energia dos pequenos e os laços de amizade que não formados. Aguardem o próximo!
Mural Kids tem como objetivo estimular às crianças e adolescentes a praticarem uma atividade recreativa ao ar livre na companhia da sua família e em contato com outras pessoas.
CLIQUE NAS IMAGENS PARA AMPLIAR

















5º Dia - Expedição Chapada das Mesas: Cachoeiras de Itapecuru / Carolina / Portal da Chapada / Balneário do Dodô (Texto: Jean Andrade - Tacalipau)

Bem, essa é a história de 11 amigos, 11 bicicletas e um mundo de diversões a ser explorado. Como todo Muralista já sabe, cada um fica responsável por contar um pouco de como foi sua experiência nessa aventura, e neste caso a Chapada das Mesas no Maranhão nos rendeu muitas histórias...
Sendo assim, depois de uma noite de acampamento ao lado de um rio, e escutando o barulho da cachoeira que estava a uns 50 metros de distância, acordamos preparamos nossas bicicletas e partimos para o café da manhã, parte muito importante do dia kkk... e logo em seguida partimos as margens da BR 230, a Transamazônica com destino a  cidade de Carolina, mais antes disso ainda na BR 230, sofrendo um pouco com o calor forte e com a bike um pesada, seguíamos fortes e contentes por mais um dia de aventura. Falando por mim mesmo, naquele momento em que eu pedalava eu sentia que estava fazendo a coisa certa, uma onda de emoções me atingia a todo o momento, a maioria delas era o melhor que eu já conheci, nada nos impedia de seguir fortes adiante, ali não existia problemas, não existia cansaço, nada disso, no rosto de cada um era fácil notar a felicidade em abundância.
Quando eu entrei no Mural de Aventuras sentia que estava destinado a uma coisa bem grande, não que eu quisesse ser notado, mas era como se eu estivesse destinado a deixar a minha marca no mundo, pensava eu assim; naquele momento pelando era o que eu sentia. Em uma expedição uma das melhores coisas que acontece é a união entre pessoas tão diferentes ao mesmo tempo iguais, todos compartilhando os mesmo sentimento de felicidade. Ao pedalar a brisa do vento na pele, as ondas de calor no rosto me fazia sentir a natureza dizendo, bem-vindo ao meu mundo, aqui é no meu tempo aqui são as minhas regras.
Seguimos até a cidade de Carolina, compramos água, carne para o churrasco de mais tarde e outros mantimentos para o acampamento. Fizemos fotos com agradáveis moradores da cidade, almoçamos em um posto e de volta a Transamazônica, pedalemos até encostar dois rapazes a beira da cerca de arrame com água pra vender, trataram logo de falar que acima estava um dos lugares mais procurados da região. Era o Portal da Chapada! Um buraco na rocha que lembra o mapa invertido do estado do Tocantins.
Estávamos cansados e dessa forma chegamos a um dilema, levar ou não levar a bicicleta até lá em cima? Em 10 segundos eu decidi que levaria ela, do jeito que estava, com bagagem e tudo, 800 metros de pura areia para empurrar, difícil? Não para mim Elson e Plech, tomamos a decisão de levar elas, naquele momento sentíamos que era justo fazer isso com elas também, e subimos! A vista de lá de cima é fantástica, fizemos muitas fotos e gravamos vídeos e descemos para seguir a diante.