Trilha Pé-de-Chinelo SQN (Nova Soure)

Como todos sabem, a primeira vez a gente nunca esquece! E comigo não seria diferente. Enfim a minha primeira viagem com o Mural de Aventuras! Como se não bastasse, ainda seria a minha primeira viagem sem esposa e filha em quase 5 anos, ou seja, a ansiedade começou a tomar conta de mim desde o dia da inscrição para esta trilha!
Por um lado eu estava um tanto angustiado e apreensivo por estar longe da minha esposa e filha, porém sabia que estaria no conforto da minha segunda casa e família: O MURAL DE AVENTURAS! Então partiu Trilha Pé-de-Chinelo.
Encontro marcado no posto Rei da Pamonha às 18:30 hs e lá estávamos nós (15 Muralistas ao todo), sendo que desta vez fui no BONDE DO ODI (Odilardo): Odi, Jampa, Kadjon, Tacalipau e eu. Todos em ponto no horário marcado e lá fomos nós em direção à NOVA SOURE! Num carro estavam Elsão e Kichute, no outro o time das Muraletes com Carla, Carlinha e Maroca! Partimos em comboio e assim chegamos, sem muita conversa e resenha pelo menos no nosso carro! Hahaha. Uma viagem tranquila e rápida, não mais do que três horas na estrada.
Chegando em Nova Soure o nosso anfitrião NINO foi nos buscar na entrada da cidade e nos levou ao encontro dos outros Muralistas que lá já se encontravam (Cerqueira, Fernando, Marcelo e Bezeride). Aí vocês já viram: cerveja, petiscos, hambúrguer e uma resenha sem igual! Como todos estavam cansados e partiríamos cedo para a trilha no dia seguinte, decidimos ir para o Sítio de Nino: A CASA DA MÃE JOANA! Chegando lá fomos apresentados às dependências e fomos dormir!
O dia amanheceu e por incrível que pareça, fomos acordados não por um galo, mas por um jegue do sítio (sim, um jegue) que às 05:30 hs já estava relichando e nos tirando da cama! Todos devidamente fardados e prontos, fomos surpreendidos com um verdadeiro banquete preparado com muito carinho por Nino com diversas frutas, pães, cuzcuz, café, suco, ovos, iogurte, muita coisa mesmo! Estômago forrado, partimos para a tão esperada aventura!
Passamos rapidamente pela cidade e logo caímos na estrada de terra, o que sempre nos anima quando estamos em cima das nossas bikes! O ritmo? Forte como sempre, com Elsão e Nino como guias! Logo começamos a sentir o clima “ameno” do semi-árido: sem vento nenhum, umidade em alta e um calor daqueles! Logo no início da aventura fomos agraciados com um excelente e técnico single track, o qual no final nos fez contemplar uma vista maravilhosa das serras e da vegetação! Detalhe: aqueles que estavam de bermuda e sem maguito já começaram a se arrepender naquele momento! Hahaha.
Para vocês terem ideia, após os 20 primeiros km paramos no primeiro posto de hidratação e literalmente zeramos o estoque de água do bar! Hahahaha. Acho que o dono vendeu mais água em 15 minutos do que vendo no mês inteiro normalmente. Fizemos uma breve pausa para conhecer a MAIOR BIBLIOTECA RURAL DO MUNDO, localizada num município vizinho a Nova Soure e de lá partimos para mais brocação.
Ritmo forte, emoção a mil, um verdadeiro desafio essa trilha! Em certo momento alcançamos o Rio Itapicuru, o qual não estava completamente cheio, porém ainda sim era um pouco profundo para fazermos a travessia. Mas lá fomos nós com cuidado e mesmo com uma forte correnteza atravessamos com as bikes e mochilas acima das nossas cabeças! Desafio vencido, partimos para o estradão, onde tivemos uma média de 30 km/h. Muita brocação.
Em certos trechos havia muita lama, sendo que em alguns locais afundávamos até a metade da perna! Passamos também por algumas porteiras (cancelas) onde pudemos admirar pés e mais pés de umbú em meio a uma enorme vegetação presente nesse semi-árido.
Em certo momento nos deparamos com o asfalto e acho que todos pensaram que seria bom para descansar: pensaram errado! Uns 200 metros depois já estávamos entrando novamente na mata, dessa vez dentro de um pasto onde quem não estava com líquido nos pneus iria se arrepender profundamente de estar ali! Muitos cactos, espinhos, cabeças de frade, entre outros. Uma montanha enorme com cascalho e pedras soltas, difícil até de subir empurrando as bicicletas. Para finalizar essa etapa descemos uma pirambeira bastante acidentada e com tanto espinho que muitos preferiram descer parte dela carregando a bike e mesmo assim acabaram furando os pés com os espinhos que entravam pela lateral da sapatilha.
Tivemos alguns pneus furados que rapidamente foram concertados e partimos em direção á parte final da trilha! Logo fomos informados que teríamos que atravessar novamente o rio para chegar ao local do almoço. Essa parte foi engraçada e ao mesmo tempo tensa, pois no local onde decidimos atravessar de volta haviam algumas pessoas, sendo que uma delas olhou pra gente e perguntou: vocês tem amor à vida de vocês? Se tiverem, não atravessem aqui não! Hahaha. Nosso coordenador Cerqueira resolveu fazer o reconhecimento da profundidade do local e com os braços esticados, simplesmente sumiu na beira do rio. Partimos então e uns 200 metros à frente achamos um lugar seguro para atravessar e assim fizemos, com muito cuidado, pois a correnteza estava forte e havia muita lama.
Após essa travessia, partimos para o almoço num local chamado “A BICA”, onde havia uma espécie de piscina esperando por nós! Porém Tacalipau e Kadjon decidiram voltar e atravessar o rio novamente pois Kadjon havia perdido seu Garmin e através das fotos e vídeos feitos pela sua câmera, notou que o havia perdido antes da travessia: culpa de Odi que não quis pegar umbú pra você não foi Kadjon? Kkkkk. Garmin encontrado e lá estavam os dois de volta com 10km a mais na bagagem do que os outros! Ficamos cerca de uma hora ali descansado na piscina, bebendo uma cerveja, água, refrigerante até que nosso almoço ficasse pronto! E quando ficou, bom, nõ precisa nem falar não é? Parecia que estávamos há uma semana sem comer! Rs.
Passado o almoço pegamos nossas roupas que lavamos num chuveiro que havia ali e praticamente sem descanso partimos. Nino falou que estava muito perto de chegar, porém esse perto dele nunca foi tão longe! Hahaha. Ainda passamos por muita areia, tiveram algumas quedas, muito cansativo realmente e o sol ainda em cima da cabeça! Chegamos enfim novamente à cidade e fomos á Farmácia de Nino “Divino Espirito Santo” para tirar algumas fotos! De lá, mais uns 3 km até o sítio e ufaaa... podíamos descansar!
Para todos os efeitos Nino havia dito que a trilha era bastante plana, mas logo no início pudemos perceber que não era nada daquilo! Terreno acidentado com bastante cascalho, areia fofa em alguns momentos e pedras enormes soltas com degraus em outras, sem falar em uma ou duas ladeiras literalmente impossíveis de brocar! O terreno era tão complicado que ao todo contamos umas 7 quedas durante a trilha! Todos começaram a aventura adorando Nino, mas não tenho certeza se a terminaram com o mesmo sentimento! Hahaha.
Enfim, partimos para um merecido banho nos chuveiros a céu aberto que lá estavam e praticamente emendamos com um churrasco. Todos muito animados por terem vencidos o desafio e felizes por estarem ali, em família, comemorando! No dia seguinte acordamos cedo, arrumamos nossas coisas e voltamos a Salvador com um sentimento de mais uma missão cumprida!  #partiu.  Israel.
CLIQUE NAS IMAGENS PARA AMPLIAR

















































































































































































































































































8 comentários:

João Paulo Ribeiro Junior disse...

Que trilha hein !! Parabéns Mural, parabéns Nino! Abraços meu amigo!!

Marayza ribeiro disse...

Trilha top! Entrou pro calendário anual do Mural!! #MilGrau

Ze bezerra disse...

Essa trilha não precisa de enquete não! Coordenação inclui ela no calendário ainda esse ano! Quero bis! BMMP!! Eita as fotos supera o fotógrafo!!! Top!Top!!

Odi disse...

Nino, essa trilha foi espetacular. Obrigado pela dedicação e receptividade. Acredito que todos nos sentimos filhos da mãe Joana. Abração!

Jean Painéis disse...

Muito massa!!! Só isso que tenho a dizer..

João Ramos disse...

Massa galera, trilha top, pena que não pude ir, a próxima irei com certeza. Parabéns Nino, parabéns Mural...se brocaram!!!

Antonio Cerqueira disse...

Trilha show na terra sertaneja de um muralista querido por todos ! É impossível não gostar de um cara como Nino! Ele disse que seriam poucas ladeiras, mas as que tinham fizeram a galera suar e empurrar...e a nossa turma TOP como sempre animada e bem entrosada. Visual 1000 grau! Bora Mural !!

Plech disse...

Nino Parabéns pela trilha TOP!!! Senti muito não ter participado, pelo local e por você, um cara sensacional. Com certeza estarei colado na próxima.