Trilha Abrantes - Cadê todo mundo?! (Texto: Leonardo Ribeiro)

Às 5:00h toca o despertador e já começa a ansiedade para a aventura do final de semana. Café reforçado, Bike no teto,  equipamentos de proteção, mochila e demais tranqueiras conferidas e exatamente às 05:48 chega o Zap de Elsão: #partiutrilha. Partiu!
Animação total pra encontrar a turma e desbravar novos caminhos em Abrantes. Pra mim quase tudo é novidade, neófito no Mural e nas trilhas, toda aventura é “A” aventura.
Chego ao local de encontro com 10min. de antecedência e para minha surpresa não encontro ninguém! Mas como assim? Cadê todo mundo? Cadê Elsão? Ôxe! 
Logo surgiu a dúvida sobre estar ou não no lugar certo... Longos 5 minutos se passaram e aparece Fernando, de Bike, para me resgatar. Estacionei uma rua antes do restante da turma. 
Apresentações devidamente feitas a Popó e Rogério, que eu ainda não tinha tido o prazer de conhecer, bikes montadas, capacete, luvas... e um pensamento que não saía da minha cabeça: Cadê Elsão? Eis que chega a notícia: Elsão não vem! Como assim? O Chefe tá de mimimi? Que aconteceu? Descobrimos que o tal do Roque Enrow acabou com ele na noite anterior. Rogério tinha acabado de ser promovido!
O novo chefe puxou a fila e lá fomos nós. As Bikes lavadas no dia anterior já sofreram nos primeiros 300m, e com a lama dando as boas vindas iniciamos a subida.
Fernando estava animado e se aventurava em cada paredão que despontava, mesmo os que estavam fora do percurso. Alexandre idem. Numa delas me animei: Coroinha, catracão... e acabei adquirindo um lindo terreno com vista para a mata atlântica. Como se a experiência fracassada não bastasse, novamente me aventurei e comprei o lote ao lado. Da próxima, acho que terei m² suficientes para o lançamento de um condomínio!
Alguns km depois, Popó que tinha comido apenas um ovo no café da manhã reclamava da estafa. Discussões embasadas cientificamente sobre alimentação, carboidratos simples, compostos, proteínas, e principalmente batata doce, animaram a parada do descanso. Daí pra frente, a cada subida, escutávamos um mantra que ecoava no silêncio: “batata doce, batata, doce, batata doce...” Era Popó, prometendo para si mesmo que nunca mais faria uma trilha sem a ajuda providente da poderosa raiz.

Próxima Aventura: Trekking Chapada Diamantina (Vale do Pati) - INSCRIÇÕES ABERTAS

Olá pessoal,

Dessa vez a aventura será sem bike, caminharemos rumo ao Vale do Pati no coração do Parque Nacional da Chapada Diamantina, um dos lugares mais encantadores do Brasil. Serão 3 dias de trekking pelo vale observando atrativos que surpreendem e encantam, uma experiência singular que nós colocará em contato também com os moradores locais, de vidas muito simples e muito ricas de histórias e saberes.

Confirme logo sua participação e garanta sua vaga!!! CURTO PERÍODO DE INSCRIÇÃO (ATÉ 02/06).

Período: 18 a 20/06/17

Participação: Somente Mural Club e Familiares;


Local de encontro: Posto Rei da Pamonha que fica na BR-324 a 500m antes da polícia rodoviária federal às 14h do dia 17/06 (sábado). De lá seguiremos para Mucugê.

Nível de dificuldade 3 - Médio, com aprox. 30km em três dias de caminhada. Programação para família!

Leia as regras e premissas dessa aventura (clique aqui).

PROCEDIMENTO PARA CONFIRMAR PARTICIPAÇÃO:
  1. Devido a dificuldade de reserva de hospedagem, inscrições abertas até o dia 02/06.
  2. As vagas são limitadas, para confirmar participação (reservar vaga) deve ser feito o depósito no valor de R$130,00 (cento e trinta reais) referente a hospedagem do primeiro dia (17/06) e taxa de operação na conta corrente abaixo. Além desse valor, prever o gasto de 150 reais para cada dia seguinte por pessoa, estimativa total R$430,00 por pessoa.
  3. Após realizar o depósito enviar comprovante para o e-mail muraldeaventuras@gmail.com.
  4. Postar um comentário nessa postagem informando sua participação. Obs.: O comentário somente será aprovado após confirmação do depósito.
Conta para Depósito:
Banco do Brasil
Valor: R$130,00
Ag. 3884-9
CC. 35.315-9

ATENÇÃO: Em caso de desistência o valor depositado não será devolvido. A reserva é pessoal e intransferível, mesmo que entre outra pessoa na vaga o valor não será devolvido. Portanto, somente faça o depósito se tiver certeza da participação. Isso visa minimizar as constantes desistências que prejudicam a participação de outros interessados.

RESERVE LOGO A SUA VAGA E FAÇA PARTE DESSA AVENTURA! BORA MURAL!!!


NORMAS E DIRETRIZES:
  1. Durante as caminhadas de todos os dias da aventura , os participantes devem usar a camisa do do Mural de Aventuras. A mesma usada em nossos pedais.
  2. Cumprir os horários marcados pontualmente.
  3. Estar atento as orientações do guia.
  4. Deixar que as negociações em lugares como pousadas, restaurantes, entradas de lugares turísticos sejam feitas pelo coordenador do grupo, bem como as conversas com pessoas do local para busca de informações.
  5. Levar dinheiro em espécie suficiente para todos os dias e de preferência trocado para facilitar os pagamentos. Estimamos mínimo de R$150,00 por dia por participante.
  6. Estar preparado fisicamente de acordo com o nível de dificuldade divulgado.
  7. Seguir as orientações do check-list (a ser divulgado posteriormente) com atenção e no mínimo levar todos os itens imprescindíveis.
  8. Quando da impossibilidade de continuidade de algum dos participantes, o grupo deixará o mesmo em local seguro, em condições de retornar e dará continuidade a aventura com os outros participantes.
  9. O Mural de Aventuras, é um clube de adesão que promove a integração de pessoas que gostam de aventura e o contato com a natureza. Portanto, todos são responsáveis individuais por sua participação e pelas ocorrências enfrentadas durante as trilhas, aventuras, viagens, etc. A segurança e o sucesso da aventura é de responsabilidade de cada participante individualmente, sem esquecer que como sempre fazemos as aventuras com espírito de camaradagem, amizade e companheirismo.


Nova Muralista: Milena Pires

Bem-vinda a nova Muralista: Milena Pires.
Em breve atualizaremos a página "Muralistas" com a foto da mesma de uniforme padrão!

Próxima Aventura: Trilhas do CT de Cachoeira (INSCRIÇÕES ABERTAS)

Olá pessoal,
Vem aí mais uma ótima novidade relacionada às aventuras do Mural e a busca de novos desafios. Nos dias 03 e 04/06 iremos conhecer uma parte das trilhas do mais novo Centro de Treinamento de Cachoeira e o charmoso Hostel Casa de Avany, empreendimentos recém inaugurados na cidade de Cachoeira por Reinaldo Cezimbra (Rei), coordenador do Mural de Aventuras.
O Centro de Treinamento de Cachoeira nasceu da paixão pelo mountain bike com a disponibilidade de um imóvel localizado em uma das melhores regiões para a prática do esporte. O imóvel foi então restaurado, e nele funciona o Hostel Casa de Avany com capacidade para até 20 pessoas, tornando-se parceiro e sede do nosso CT. Foram mapeados diversos roteiros divididos em 3 níveis de dificuldade: iniciante, intermediário e avançado. Guias experientes e preparados garantem um pedal seguro e muito divertido.
O CT de Cachoeira funciona com pacotes aos finais de semana, sendo a hospedagem com café da manhã de Sexta à noite até Domingo à tarde e duas aventuras nas manhãs de Sábado e Domingo. Sendo os grupos de no mínimo 4 pessoas, basta fazer reserva e escolher o tipo de trilha mais adequada para os participantes.

Iremos no dia anterior (02/05 - sexta-feira) para pernoite já no Hostel Casa de Avany em Cachoeira, localizada a 120km de Salvador. Serão dois dias de trilha 03/06 (nível 4 - médio alto de dificuldade) e 04/06 (nível 3 - médio de dificuldade). Retornaremos no dia 04/06 (domingo) após almoço.

Devido ao lançamento do CT e a parceria com o Mural de Aventuras, foi dado um desconto especial na hospedagem dos dois dias, o valor ficou em R$100,00 (cem reais) por pessoa. Será uma ótima oportunidade para os Muralistas também levarem familiares para que possam curtir a cidade de Cachoeira enquanto pedalamos. O valor inclui:

- Hospedagem em quartos e banheiros compartilhados (estilo hostel) com café da manhã de 02 a 04/06.
- Serviço de guiada em dois dias de trilha.

Período: 03 e 04/06/17

Participação: Somente Mural Club.

Local de encontro: CT de Cachoeira e Hostel Casa de Avany em Cachoeira de 18hs até às 22hs do dia 02/06 (sexta-feira).

ATENÇÃO: Nível de dificuldade 4 - Médio Alto (dia 03/06) e 3 - Médio (04/06) (conheça os níveis), com aprox. 45 e 25km respectivamente. Lembramos que sem os equipamentos de segurança (capacete, tênis, luva...) não pedala no grupo.

Conheça dos Tipos de Aventuras do Mural (clique aqui).

Devido as vagas serem limitadas, para essa aventura é necessária a confirmação de participação, para isso os interessados devem depositar até o dia 01/06 (quinta-feira) o valor de R$ 100,00 por pessoa na conta abaixo e enviar e-mail com o comprovante para muraldeaventuras@gmail.comEm caso de desistências não será devolvido o valor, só confirme participação quando tiver certeza. Caso tenha alguma dúvida, enviar e-mail primeiro para muraldeaventuras@gmail.com. 
  • Banco do Brasil
    Ag. 3884-9
    CC. 35.315-9
ATENÇÃO: SOMENTE PODERÁ PARTICIPAR DAS TRILHAS QUEM FICAR HOSPEDADO OS DOIS DIAS NO  CT E HOSTEL CASA DE AVANY.

APÓS ENVIAR COMPROVANTE POR E-MAIL, POSTAR UM COMENTÁRIO AQUI COM A CONFIRMAÇÃO. O COMENTÁRIO SOMENTE SERÁ AUTORIZADO APÓS ENVIO DO COMPROVANTE POR E-MAIL.


PARA ESSA AVENTURA É OBRIGATÓRIO O USO DO UNIFORME COMPLETO (CAMISA E BERMUDA/CALÇA) DO MURAL DE AVENTURAS

Recomendações: Revisar a bike, levar alimentos para trilha, mochila de hidratação e materiais para pequenos reparos na bicicleta (câmera, bomba, ferramentas, chave de corrente, power-link, gancheira, etc). Lembrar dos equipamentos de segurança (capacete, tênis, luva...).

Nova Muralista: Lívia Cordeiro

Bem-vinda a nova Muralista: Lívia Cordeiro.
Em breve atualizaremos a página "Muralistas" com a foto da mesma de uniforme padrão!

Trilha em Sapiranga: Leotria com Cação (Texto: Fabio Morais)

A resenha começou bem antes do início da trilha... Nosso amigo Léo tomou umas cervejas a mais no dia anterior, se empolgou e comprou uma bike nova.
Finalmente o dia chegou, acordei às 04 da madruga e fiquei à espera do Filipe, que me daria carona, ajeitamos as bikes e partimos rumo à PF, só que no caminho tinha um “puliça fila da mãe” que questionou desde o penteado de Felipe até o preto do meu cabelo, enquanto isso, Elsão com sua moral passou direto sem ser incomodado pelos puliça. Depois de tudo resolvido, finalmente chegamos ao condomínio Porto das Baleias, após os ajustes de rotina partimos rumo à aventura da Sapiranga. Tudo ia bem até que, no quilômetro 04, barbeirei na troca de marcha e quebrei a corrente, graças a Ciro, que tinha um Power link providencial, consegui seguir viagem, tudo parecia dar errado, no entanto, a partir daí foi só alegria: uma paisagem mais linda que outra, teve Plech tomando banho de cachoeira, Guga relaxando em cima da arvore e Odi arriado no chão, teve ainda demonstração da técnica de João, que passou por terrenos arenosos sem cair, pelo menos foi o que ele disse rsssss. E não foi só Léo que bebeu no dia anterior, fiz a trilha com uma ressaca da zorra, minha sorte é que tinha Odi para varrer a trilha (valeu Odi), mesmo com todo sofrimento pude contemplar e aproveitar todos os cenários que Sapiranga nos apresentou.
Finalmente chegou a grande recompensa: o almoço, a propaganda foi grande, fiquei até desconfiado, mas fui surpreendido por uma deliciosa moqueca de cação, aliás, foi a primeira vez que comi esse peixe. O dono do restaurante é uma figura que merece um parágrafo à parte: cara gente boa, cheio de leotria e curioso, isso mesmo, curioso, ficou encucado porque Cerca falava com o queixo mole, e por falar em Cerca, o cara roubou a cena no almoço, sacaneou, foi sacaneado, ficou feliz, ficou triste, ficou feliz, ficou triste e no final... Fala aí Cerca... 

2ª Trilha Pé-de-Chinelo SQN (Nova Soure) - Balneários e Coices

"Neste agreste Sertão da Bahia.
É Jardim de Bondade e afeição “ 
(Da letra do Hino de Nova Soure)
Fui escolhido pelo anfitrião para fazer a resenha que agora começo a tecer. Não poderia deixar de registrar que recebo a missão com dupla satisfação a primeira de tirar do amigo a tarefa fazê-la e a segunda, a de descrever como foi a nossa jornada nessa reedição da Trilha Pé-de-chinelo que coincide com a inauguração do bar e restaurante Rancho Casa da Mãe Joana, local alternativo com apresentação de música e ótimo para recreação. 
Com previsão de saída para as 20 horas, pontualmente, Júlio Cesar (Caimbrinha) chega e imediatamente partimos para nosso destino. Ao chegarmos no Rei da Pamonha, já sob forte chuvas, o que nos remetia a uma questão, como estará em Nova Soure? Todos os participantes saíram com bastante antecedência e nos chegamos por volta da 23 horas, encontramos toda equipe já instalada no barzinho da praça, a comemorar o meu aniversário. Com alegria de estarmos a poucas horas de mais essa aventura, seguimos para a casa da Mãe Joana para o descanso do dia e repor as forças. Ao chegarmos, logo após a ocupação de nosso local de descanso, de repente fomos convidados pelo anfitrião a fazer um tour pelas novas instalações que transformaram a casa da Mãe Joana em excelente local de entretenimento, com boa comida e excelente atendimento. Vale a pena conferir! Não percam a próxima edição. Seguindo nosso anfitrião chegamos rapidamente ao ponto onde é servido o nosso banquete antes do pedal, local de paisagismo de dar inveja a Burle Max e ao nosso Kadjon... Surpresa!!! Bolo de aniversário com cobertura e velinha acesa! Começa os parabéns e ajeita daqui, tira o boné e óculos ali e toma-lhe a torta na cara! Uma delícia!! O bolo. Até parte que caiu na grama foi consumida. Senti gostinho perfumado e a crocânçia de um cascudo (besouro). Ora de lavar a cara, dormir e acordar cedo. 
Acordamos e já se podia ver Nino já a postos, preparando o nosso banquete que seria o reforço necessário para o enfrentamento da missão que nos era dada 70 Km de trilha de paisagens belas e diversos tipos de terrenos que ofereciam os desafios que todo mountain biker adora, e se tratando de Mural de Aventuras, uma boa travessia de rio, neste caso a do rio Itapicuru. 
Saindo do agora Rancho da Casa da Mãe Joana, paramos bem à frente da entrada para o registro e as orientações e agradecimentos. Partimos em direção a Nova Soure e seguimos para o Morro do Cristo, para reflexão e apelo por proteção, que precisamos sempre. Morro do Cristo abraça o Mural de Aventuras e proteja os Muralistas!
Seguimos pelo asfalto e logo o deixamos para relembrar como foi na primeira vez pedal da caatinga. Pulamos a cerca e começou uma brincadeira para subir o morrinho e em seguida entrar no single track da jurema – unha-de-gato – mandacaru – xique-xique e tudo que possa agarrar em você e fazer transpirar sangue. Quando ouço grito quase em desespero... Onde é o caminho!!! A menos de 10m só se via o capacete mais não se encontrava o caminho tamanho era o embaraço na caatinga. Ufa! Finalmente chegamos e seguimos uma subidinha que dá ao coração aquela sensação que o tanto faz bem, senti-lo batendo embaixo do queixo. Após percorrer pouco mais de 20Km chegamos no povoado de Paiaiá, para visita àquela que detém o rank da maior biblioteca rural do mundo. Depois de reabastecidos de agua (Bar do Luís) e feito o reparo do pneu da bicicleta de Nino seguimos para uma jornada de trilhas com trechos técnicos-travessias de rio e banhos de bica. Antes de chegarmos à primeira travessia do rio Itapicuru passamos por mais single track, onde os desafios eram constantes: degraus de pedras, valetas subindo e descendo. Paramos diversas vezes para ver superar os desafios: Nino e Cerqueira, Fabiana e JoãoRider, Odi, Caimbrinha, Ito. Elson tratando de registrar para tornar essa resenha um pouco mais agradável. Paramos no primeiro balneário (povoado de Cauê). Seguimos após banho e cervejas e para então chegarmos na primeira travessia do Itapicuru agora contra a margem esquerda seguimos por estrada de paisagem exuberante e já demonstrando cansaço nosso anfitrião se envolve no lance que não fosse o abraço do Cristo... Um burro apareceu correndo a uma pequena distancia entre Elson e Nino e desferiu diversos coices que quase acertava em cheio, o segundo. E assim seguimos correndo atrás do animal, até encontrar vereda por onde este seguiu nos deixando aliviados.

ENCONTRO EXPEDIÇÃO CHAPADA DAS MESAS

Mais que uma reunião de alinhamento sobre a Expedição Chapada das Mesas que iremos realizar de 01 a 08/07, o encontro dos Expedicionários foi uma linda confraternização que contou também com a participação dos familiares. A Expedição Chapada das Mesas já é maior em quantidade de participantes (13) e promete ser marcada pelo espírito de pura aventura do grupo que dentre outros aspectos, enfrentará no mínimo quatro dias de acampamento para explorar o máximo de atrativos da da região. Bora Mural!!!













Trilha ItaSap - De Alma Lavada

Olá pessoal.
Meu nome é Téo mais conhecido pelos muralistas por cãibrinha.
No dia 21/04, feriado de Tiradentes, tive a satisfação de participar da Trilha ITASAP com o Mural de Aventuras. Essa foi a minha segunda trilha, sendo que a minha estreia, em Sátiro Dias, foi marcada por muita dor e sofrimento decorrente de várias cãibras. Aliás como é bom pedalar sem dor.
Nosso dia começou cedo, próximo às 5:00 horas dá manhã, tomei o meu café reforçado e aproveitei o Mural Móvel para me deslocar até Itacimirim. A viagem foi resenha total as meninas, Paula e Carla, foram muito divertidas.  Chegando lá encontramos com os demais Muralistas daí então começamos a pedalar.
A trilha era nível 3, o percurso tem um início de asfalto, mas não demora para começar a estrada de chão. A ameaça de chuva era constante e não delongou para cair as primeiras gotas de água. Cerca de 20 km dos 38 pedalados foram debaixo de uma forte chuva deixando a trilha mais emocionante e apimentada.
Digo apimentada porque a forte chuva deixou o chão de terra mais escorregadio, facilitando a queda dos Muralistas. Foi o que aconteceu; nos primeiros 20km, durante uma descida, nosso amigo Tacalipau levou um lindo capote, coisa de cinema, graças a Deus não aconteceu nada grave.
Tivemos também grandes emoções na trilha, com a chuva forte o fluxo de água do rio Pojuca aumentou muito e para completar o percurso teríamos que atravessá-lo. Para tal, nosso guia cobaia teve a iniciativa de entrar na água para avaliar a altura e força. Ele nos enganou ficando de joelho no rio com a água acima do pescoço. Carla ficou muito apreensiva deu até pena, pude perceber o quanto é enorme a união entre os Muralistas.
Prosseguimos por uma mata dentro da Reserva de Sapiranga foi quando Paula quebrou a bike e teve que troca-la com Carla. Fizemos uma parada para tirar fotos, hidratarmos e avaliar o quanto estávamos sujos.

Trilha New Imbassaí - Uma Nova Aventura com Tubos de Água Gigantes

Sábado de Páscoa é tempo de renovar, de renascimento e aperfeiçoamento então Elsão lançou uma missão para essa trilha...
A Trilha New Imbassai - tínhamos como objetivo o desbravamento de uma nova área mata adentro e mapear novos trechos e assim, descobrir lugares maravilhosos, o que foi algo inusitado:
Primeiramente passamos por algumas fazendas pedindo licença e conversando com os moradores locais, e encontramos algumas barreiras pela frente como cercas de arame farpado, mas nada disso foi empecilho para desistirmos. Logo de cara encontramos um lugar bonito no Rio Imbassaí com uma ponte suspensa, pela qual atravessamos juntamente com as bikes em uma simples tábua e corrimões de madeiras bem frágeis uma verdadeira aventura.
Poucos quilômetros depois encontramos uma pequena cachoeira um lugar bem bonito e paramos para tirar fotos, como só estávamos começando (7 km) aproximadamente não mergulhamos. Entretanto, como bons desbravadores estávamos atentos aos detalhes e ao descermos uma ladeira Tacalepau encontrou um local especial com 03 bicas com tubos de água gigantes e para completar uma piscina rústica ao redor das quedas d'Água, não tinha como resistir, portanto tomamos um maravilhoso banho.
Continuamos a trilha e mais a frente um banho no riacho da Sucuri, depois de lavar a alma partiu Mural!!. Por volta de uns 40 km fizemos uma parada no restaurante para repor as energias e comermos uma deliciosa moqueca de pescada acompanhada de umas geladas para relaxar.
Depois de reabastecidos Partiu Mural, pensei que iria sentir cansaço porque comemos bastante e ainda por cima era a minha primeira trilha nível 04 💪💪, mas ao contrário me senti super bem e 10 km depois chegamos ao fim no Posto de combustível em Imbassai.

7º Dia - Expedição Titicaca (Bolívia - Peru): Puno, Los Uros, Amantaní (Texto: Elson Siquara)

Quando chegamos a Puno, não sabíamos o que realmente iríamos fazer no dia seguinte. Inicialmente pensávamos apenas em encontrar um local limpo e confortável para dormir, afinal, já havíamos sofrido bastante nos dias anteriores em instalações precárias. A agonia era constante, em todas 24 horas do dia, onde na melhor das circunstâncias ficávamos sempre com dificuldade de respirar a quase 4.000 metros de altitude, expedição realmente não é nada fácil. Para nossa sorte, finalmente encontramos um bom hotel para pernoitar, Puno é uma cidade mais desenvolvida, melhor que todas as outras que já havíamos passado na expedição, mas a relativa moleza não iria durar por muito tempo...
Amanheceu e continuávamos ingênuos sobre a real aventura que nos aguardava. Havíamos contratado um pacote no hotel com direito a translado, passeio de barco, visita às ilhas flutuantes artificiais, visita e pernoite em uma ilha no Lago Titicaca com jantar e café da manhã, visita a uma segunda ilha e retorno o dia seguinte de barco de volta a Puno. Lembro que achei o valor do pacote relativamente baixo, mas pensei que qualquer coisa seria melhor do que já havíamos passado então arrumamos as tralhas, guardamos as bikes no hotel e entramos no ônibus que logo cedo já nos aguardava na praça que ficava perto.
Estava ansioso para conhecer ainda mais o grande Titicaca, havia estudado sobre muitas de suas atrações, como as ilhas flutuantes de Los Uros e as “Mercedes”. A existência dos Uros já se verifica desde a era pré-colombiana, quando um povo homónimo desenvolveu esta forma de habitação tendo em vista maior segurança. Os Uros são feitos à base de totoras, uma espécie de planta aquática, e é necessário constante trabalho de manutenção para assegurar a flutuabilidade de tais ilhotas onde os residentes pescam, caçam pássaros e nos últimos anos exploram o turismo com a venda de artesanato. Elas têm cerca de 2000 habitantes espalhados em 87 ilhas. O idioma que eles falam é o Aymara (semelhante ao Quechua, mas da era pré-inca). Algumas palavras: kamisaraki (é uma saudação, tipo “como vai você?”) e waliki (resposta para pergunta a anterior, como “bem”). As “Mercedes” são barcos feitos também de totora e possuem um formato bastante peculiar.
Chegamos ao cais e fomos direcionados para um dos muitos barcos que fazem o passeio no lago. Começamos e navegar e não demorou muito para avistarmos as ilhas flutuantes no horizonte. Ao chegar mais perto foi pude perceber a grande dimensão, uma verdadeira cidade flutuante. Los Uros é um daqueles lugares que são mostrados em documentários do Discovery Channel, realmente muito impressionante. São várias pequenas ilhas, onde as famílias recebem os visitantes e demonstram através de encenações como é a vida no local. Ao desembarcarmos fomos recebidos com cantos, havia só mulheres, todas com vestidos coloridos, depois ficamos sabendo que os homens da família estavam fora em busca de mais totoras para manutenção do lugar.
Fomos conduzidos para sentar e começamos a assistir uma apresentação sobre a cultura Aymara, enquanto uma das mais idosas falava, percebi que uma jovem começava a descascar os talos de ramos de totoras que logo depois nos foi oferecida para comer, parecia palmito, mas o gosto não muito agradável tinha uma textura esponjosa, comer aquilo só se for para não morrer de fome, mas valeu a experiência. Terminada a apresentação, fomos convidados a entrar nas cabanas também feitas de totoras e vestimos roupas típicas o que foi muito divertido, fizemos várias fotos. Depois começou a demonstração e venda de artesanato, muitos não conseguiram resistir e compraram várias peças.
Pagando alguns soles fizemos também um passeio nas “Mercedes”, o barco levava confortavelmente no mínimo 10 pessoas e seu movimento lento movido a remo, pudermos relaxar um pouco e apreciar a paisagem. Paramos em outra ilha flutuante para um rápido lanche e subimos no barco a motor para continuação de nossa aventura.
Pude perceber o quanto enorme é o Titicaca, foram mais de 3 longas horas de barco até chegarmos a Ilha Amantaní. Perto do desembarque o guia começa a falar um pouco da cultura local e o que iríamos vivenciar, foi aí que a ficha começou a cair e um clima de preocupação pegou todos expedicionários de surpresa. O guia informou que iríamos ficar hospedados em uma casa de família do povo Aymara na comunidade Occopampa e que iríamos experimentar os costumes locais, sendo que o mais nos chamou atenção foi o tipo de comida, vegetariana! Estávamos famintos, sonhávamos em comer bem, daí a nossa agonia...

Trilha 7 Maravilhas - Cubo Quebrado, Moto Salvadora e o Anjo Bonão

Pra começar sempre tive vontade de fazer essa trilha pois os comentários que ouvi sempre foram instigantes mas nunca casava uma data com minha disponibilidade. Logo que vi que eu poderia fazer fiz a inscrição e já solicitei vaga no Mural Movel que no dia da trilha bateu lá em casa e partimos para trilha eu Elson e Bezerra com categoria assistindo altos clipes das trilhas do Mural e muito rock, melhor que Uber kkkk.
Chegamos na estrada de acesso ao local onde deixaríamos os carros e lá estavam Fernando e Marcelo nos aguardando, seguimos pela estrada e ao chegar no local fomos impedidos de deixar o carro no estacionamento que sempre foi utilizado pelo Mural mas logo achamos outro lugar junto ao posto da Policia Militar.
Após todos chegarem e estarmos preparados iniciou a aventura por uma estrada de terra até pegarmos uma estradinha ao lado de uma plantação de eucaliptos e descemos um single com muita areia branca solta que exigiu muita habilidade dos pilotos. Elson desceu para tirar as fotos e eu e Nino seguimos Fernando até uma descida que dava num riacho com uma ponte quebrada que formava um cenário muito bonito para tirarmos fotos. Num determinado momento achamos que havia acontecido alguma coisa com o quem havia ficado para trás pois Elson não chegava, resolvemos subir e Fernando decidiu voltar para ver o que ocorrera, dois minutos depois dele partir chegam pelo lado oposto procurando por nós Elson, Marcelo, Marão e Bezerra que haviam passado batidos sem nos ver no riacho. Quando Fernando retornou e seguimos com mais singles e estradão e descemos a famosa ladeira do Nino onde todo cuidado é pouco, paramos em rio muito bonito de agua transparente. Neste momento Bezerra aproveita dar uma ajustada em seu freio que estava com problemas e logo partimos por uma subida bem íngreme de cascalho seguimos até a entrada de outro single subindo e mais um descendo que era de grama bem irregular e muito erodido onde ao final demos uma parada para lanchar. Seguimos até o próximo ponto passamos por vários tipos de terrenos descidas sensacionais matos e "surpresas desafiadoras" quase chegando "no trabalho" para hidratação. Aproveitamos para regular o freio dianteiro de Bezarra que já não existia mais e fazia ele ir muito lento nas descidas e seguimos por uma paisagem de fazendas quase sulistas até o single que nos levaria a Itanagra.
Ao chegar em Itanagra tiramos fotos nas ruínas da Igreja de São Francisco de Assis e fomos direto para o restaurante de onde fomos agraciados com um saboroso e nutritivo almoço caseiro para repor as energias. Descansados prosseguimos por subidas e descidas, alias a primeira subida é pra acordar mesmo, atravessamos uma fazenda e seguimos por um single até chegarmos em uma parte de areia fofa antes de um rio, onde Marão percebeu um estalo em sua roda traseira. Tomamos banho no rio enquanto Marão verificava o prejuízo, cubo quebrado, roda dançando e sem condições de continuar solicitamos a um motoqueiro que passava para leva-lo ate o carro, fim de trilha para ele. Prosseguimos por uma mata tipo Sapiranga até uma plantação imensa de eucaliptos com muitas subidas e descidas até atravessarmos outra fazenda e pegarmos o estradão final onde fizemos mais uma hidratação e uma descida alucinante até o asfalto.
Já no asfalto passou por nós Alexandre "Bonão" gritando "Bora Mural" e dizendo que iria buscar àgua, dez minutos depois, quase chegando a entrada da estrada que leva ao local onde os caros estavam estacionados, chega nosso anjo Bonão com duas sacolas de água e coca-cola para nós, grade presente e demonstração de carinho para conosco, obrigado Bonão! Fim de trilha volta pra casa Mural Movel com altos sons bebendo coca-cola do Bonão.

Novo Muralista: Marcos Vinicios Pacheco Nogueira

Bem-vindo ao novo Muralista:  Marcos Vinicios Pacheco Nogueira (Zelinho).
Em breve atualizaremos a página "Muralistas" com a foto do mesmo de uniforme padrão!

TRILHA CTM ALPHAVILLE DE PÁSCOA

A Sexta-feira Santa (14/04) amanheceu chuvosa, mas isso não foi impedimento para a realização de mais um pedal pelas melhores trilhas urbanas de nossa cidade. Já acostumados a fazermos a noite em nosso encontro semanal CTM Alphaville, fazer de dia os desafios do circuito do Parque Tecnológico e CIMATEC foi uma diversão diferente. Como podem ver nas fotos, são trechos de subidas e descidas técnicas em single tracks que ideal para a prática do mountain bike. Até a próxima aventura! Participem do CTM Alphaville nas terças a noite a partir das 20h. Bora Mural!!!
CLIQUE NAS IMAGENS PARA AMPLIAR







Trilha Sátiro Dias V - Câimbras, Pássaro Solto, Pneus Furados e Galinha Caipira no Sertão

Essa foi a minha primeira trilha com o Mural, estava ansiosa, mas me sentia segura pois era a realização de um desejo antigo. O dia amanheceu, tomamos café e depois de uma sessão de fotos, saímos para pedalar. Para esquentar, começamos com a famosa ladeira da fazenda, tudo ocorrendo muito bem, subida, descida, single track, sofrendo mais feliz, ao chegarmos na Ladeira do Mimoso, nosso amigo Theo caiu devido a câimbras, segundo ele, paramos para hidratar e para nosso amigo Ito fazer a foça do pneu, lembrando que foi a primeira de várias sequências entre fazer força e encher pneu, essa é a maior recordação que tenho dele.
Theo melhorou, daí seguimos em frente para o nosso parque de diversões, tínhamos andado uns 24km, entre subidas, descidas. Logo mais na frente Theo tem câimbras novamente, e ainda não tínhamos completado nem metade dos 70km previstos. Mas como na mochila de João sempre tem de tudo, inclusive um kit salva vidas, encontramos um Torsilax, que Theo tomou, fazendo-o esquecer das câimbras por alguns minutos pois o mesmo disse que já estava melhor e seguimos em frente, mas não demorou muito para ele não aguentar a pedalar, sendo empurrado por todos do grupo para subir uma das muitas ladeiras. Foi quando já estávamos a uns 100m da pista, que Theo desabou no chão, se arrastando como um sobrevivente de guerra, afirmando que o coração e o pulmão estavam 100%, mas as pernas não obedeciam aos comandos. Neste momento, todos se acabavam de rir, mas ao mesmo tempo estávamos preocupados querendo ajuda-lo, graças a Deus que no grupo tinha alguns massagistas, que até tentaram, mas não ajudou muito. Como o mesmo não aguentava mais nem se movimentar ou se quer pedalar, consegui uma carona de moto para levá-lo até Cida, onde seria nosso ponto para almoçar.
Enfim, Theo partiu na moto com sua bike todo feliz, e continuamos nosso pedal. O dia estava muito favorável para pedalar, sem muito sol, mas com bastante calor, seguimos por mais umas trilhas e ladeiras até pararmos para fazer um lanche, que na verdade foi quase um almoço, e depois seguimos em frente num bom estradão. É difícil descrever a satisfação em pedalar com o grupo, e com a minha melhor companhia, João.  Ao longo do caminho encontramos um menino com um passarinho na gaiola e paramos. Elson, Ito e Jean, falaram da importância dos animais em viver livre na natureza para o menino e assim o pássaro foi solto. Feita a boa ação do dia, retornamos ao nosso pedal aproveitando cada pedacinho que aquele sertão nos oferecia, tendo a certeza de que pedalar é uma das melhores coisas que o ser humano pode fazer na vida.

Retorno Muralista: Odilardo P. de Figueiredo Filho

É com satisfação que informamos o retorno do muralista Odilardo P. de Figueiredo Filho (Odi)Bem-vindo! Bora Mural!

Participe do nosso *Clube de Ciclismo* de Aventuras. Acesse: http://muraldeaventuras.blogspot.com.br/p/club.html

#muraldeaventuras #boramural #clubedeciclismo #muralclub

Próxima Aventura: Expedição Chapada das Mesas (Maranhão) - INSCRIÇÕES ENCERRADAS

INSCRIÇÕES ENCERRADAS
Olá Muralistas,
Em 2009, pedalamos na Chapada Diamantina - BA (saiba mais), em 2010 partimos para a Chapada dos Veadeiros - GO (saiba mais), em 2011 desbravamos a Chapada dos Guimarães - MT (saiba mais), em 2012 subimos para o Deserto da Atacama (saiba mais), em 2013 foi a vez do velho continente para fazermos os Alpes passando pela Alemanha, Suíça, Áustria e Itália (saiba mais), em 2014 fizemos as Expedições TransMantiqueira (saiba mais) e TransAndes (Chile e Argentina),  já em 2015 partimos para o Jalapão - TO e Vale Europeu com Serra do Rio do Rastro - SC e finalmente fizemos a Expedição Estrada da Morte e Titicaca na Bolívia e Peru. Essas experiências foram tão gratificantes e maravilhosas que só fizeram aumentar ainda mais a nossa vontade por novos desafios.

Sendo assim, em julho desse ano (01 a 08/07), partiremos mais uma vez para um grande desafio! É a EXPEDIÇÃO CHAPADA DAS MESAS!!! Iremos descobrir mais uma região incrível do Brasil, o Parque Nacional da Chapada das Mesas é uma área de proteção ambiental que abrange 160.046 hectares de Cerrado nos municípios de Carolina, Riachão, Estreito e Imperatriz, no centro-sul do Maranhão. Dentre os atrativos, são 89 cachoeiras em um ambiente misto de sertão, bosques de buritizais, cânions, cerrados, lugar perfeito para quem gosta de atividades radicais. 
Serão 7 dias de aventura, o objetivo será pedalar vários dias, sem carro de apoio, levando tudo o que é necessário na bike e enfrentando vários tipos de dificuldades, como o calor, areais, além de pernoite em barracas em lugares remotos. Caso possível, teremos a oportunidade de praticar o Mountain Bike com maior liberdade, sem o peso das bagagens e realizar outras modalidades de aventura.

As expedições do Mural de Aventuras são eventos que possuem o nível de dificuldade 5 - Alto (conheça os níveis), portanto necessitam de um ótimo preparo físico dos participantes.


O roteiro será definido com muito cuidado visando atingir os resultados descritos abaixo:
  • Visitar as principais cidades e atrações turísticas da região, utilizando a bicicleta como forma de locomoção.
  • Realizar atividades físicas diárias em contato com a natureza promovendo melhoria da saúde.
  • Integrar a prática do ciclo turismo com a do mountain bike e se possível outros esportes como trekking.
  • Experimentar situações de extrema aventura.
  • Vencer desafios.
Conheça os tipos de aventuras do Mural (CLIQUE AQUI)

Participação: Somente Mural Club.

Quantidade de vagas: 09 (nove).

Orientações e Recomendações: 
  • Todos os participantes devem estar presentes em Imperatriz-MA até às 18h do dia 30/06, o início da expedição será no dia seguinte (01/07) logo cedo. Para o retorno, todos participantes devem comprar as passagens de volta a partir do dia 08/07 às 12h. Após a confirmação do grupo iremos definir, se possível, um voo para irmos juntos.
  • Realizar check-up médico com cardiologista; 
  • Estar preparado para enfrentar adversidades como altas ou baixas temperaturas e elevado nível de exercícios físicos diários;
  • Até o dia da viagem, os participantes da expedição terão prioridade nas vagas de outras aventuras do Mural com nível de dificuldade 5 - Alto.
  • Levar dinheiro em espécie suficiente para todos os dias e de preferência trocado para facilitar os pagamentos. Estimamos mínimo de R$ 200,00 por dia por participante.
Requisitos para Participação:
  • Ser Muralista (com pagamento da anuidade regular).
  • Levar material necessário tendo como referência o check-list que será divulgado.
  • Conhecer e seguir as regras e premissas dessa aventura (clique aqui).
  • Ler, assinar e entregar o Termo de Responsabilidade e Acordo de Implicação de Riscos (será enviado para os inscritos);
  • Estar preparado fisicamente de acordo com o nível de dificuldade divulgado. Para expedições o nível de dificuldade é 5 – Alto.
Como fazer a inscrição:

INSCRIÇÕES ENCERRADAS. VAGAS PREENCHIDAS!
  • Inscrições abertas até 19/05 ou enquanto vagas disponíveis.
  • Para confirmar participação  deve ser feito o depósito no valor de R$550,00 (quinhentos e cinquenta reais) referente ao pagamento das despesas de translado de saída e retorno do aeroporto, camisas de passeio da aventura, boné, taxa de operação e hospedagem do primeiro dia. Postar um comentário nessa postagem informando sua participação. Obs.: O comentário somente será aprovado após confirmação do depósito.
  • Em caso de desistência o valor depositado não será devolvidoO pagamento é pessoal e intransferível.
Conta corrente para depósito:
Banco do Brasil
Ag. 3884-9
CC. 35.315-9
Valor: R$ 550,00

Após o depósito, enviar e-mail para muraldeaventuras@gmail.com com o comprovante e aguardar a confirmação de inscrição.

Após confirmar inscrição, aguardar orientações para compra das passagens.


    "Uma bike na trilha, um desafio a superar, uma aventura pela frente..."

    4º Dia - Ciclo Aventura Chapada Diamantina (De Capão a Lençóis) (Texto: Antonio Cerqueira - Cerca)

    4º e último dia de trilhas nessa espetacular aventura. Dia de retornar ao ponto de origem, a cidade de Lençóis e assim completar a volta na Chapada Diamantina, passando pelos seus principais municípios e atrativos.
    Na véspera após o perrengue com a falta de água na Pousada Nós na Trilha no Vale do Capão (isso mesmo...rs), os primeiros até conseguiram tomar seus banhos, mas Elson, Leonov, Kichute, Neylor e eu ficamos sem água!  Mas o problema foi contornado. Fomos levados pela dona da pousada para um albergue com vestiário novinho com 04 chuveirões e então ficamos limpinhos e felizes rsrs.
    No jantar alguns optaram pelos carboidratos/ Pizza (Carla, Mara, Guga, Elson e eu) enquanto os demais (Kichute, Leonov e Alexandre) ficaram na proteína (filet). Elsão ficou meio zangado, pois optou pela pizza, mas queria mesmo o filet kkk. Acabou completando a fome com um hot-dog. O Mineiro já estava jantado, pois foi sujinho mesmo antes de chegar na pousada. Carla que estava com dores na coluna e ombro (de tanto carregar bike na subida dos Aleixos e Trilhas do Pati) conseguiu tomar uma bela massagem relaxante de 1 hora na Vila do Capão.
    29/12 – Saímos da Pousada com destino a Lençóis. Guga nos deixou nesse dia e foi ao encontro de suas amadas, mulher e filha que estavam em Mucugê. Já estávamos maravilhados com a aventura, as lindas paisagens, os singletracks, os rockgardens naturais, o refrescante banho do Roncador, a desafiante subida de Igatu com delicioso almoço na praça com sombra, os encantos de Mucugê, a dolorosa subida dos Aleixos, o esplendor do Vale do Pati e a brocação de sempre, é claro! Mas Elsão prometeu que ainda teríamos muitas emoções, um dia com trilhas mais “fluidas” e não deu outra! Fizemos um pequeno Citytour na Vila do Capão, fotos em frente a Igreja, batepapo com a atleta local (Nito) e partiu ! Subimos o estradão da saída da cidade e logo entramos numa trilha à direita, com passagem por pequenos riachos em área de reserva legal denominada de “Sitio Buqueirão”. Daí foram aparecendo os vales com seus lindos morros, cada um com seu nome de batismo. A trilha seguia em singletrack, ora em chão de pedra, ora em terra batida/ areia. Guga e Elson já tinham “comprado” belos terrenos nos dia anteriores. Chegou a vez de Kichute com um lindo capote que machucou seu joelhinho.